Quando Eu Vim-Me Embora E-Book


Quando Eu Vim-Me Embora - Antonio Villa,Marco pdf epub

PREÇO: GRÁTIS

EM FORMAÇÃO

LÍNGUA: PORTUGUÊS
HISTÓRIA: 2017
ESCRITORA/ESCRITOR: Antonio Villa,Marco
ISBN: 9788544105146
FORMATO: PDF EPUB MOBI TXT
TAMANHO DO ARQUIVO: 4,40

EXPLICAÇÃO:

A migração nordestina para o sudeste, por um de nossos mais conceituados historiadores. Sonhos, frustrações, dificuldades, preconceito e, também, ascensão social, sucesso financeiro, vitória. A história da migração nordestina para os estados do sudeste do Brasil carrega esses e outros elementos. Entre as décadas de 1930 e 1980, milhares de pessoas abandonaram a terra onde nasceram e foram para outro estado – que, para elas, era como se pertencesse a outro país: São Paulo era outro mundo, tinha outra forma de organização, de lutas, de sociabilidade, de trabalho e até mesmo de falar o português. Com seu estilo coloquial e direto e uma narrativa envolvente, sem perder o rigor com os fatos, Marco Antonio Villa, autor dos best-sellers Mensalão, Ditadura à brasileira e um país partido, oferece aos leitores a voz não do narrador, mas dos próprios migrantes: são eles que relatam a viagem no pau de arara, a chegada à capital paulista, a dificuldade de adaptação, os empregos, a melhoria de vida, a educação dos filhos, a construção da tão sonhada casa própria. Também estão presentes as reações, os exemplos de solidariedade, as angústias e as alegrias. “Quando eu vim-me embora” descreve e analisa a expulsão do sertanejo, a permanência da miséria e a mudança em escala jamais vista na história do Brasil. São histórias individuais pungentes e emocionantes que, somadas, compõem um dos mais ricos processos históricos do país. Com elas, você conhecerá a complexa migração de homens, mulheres, crianças e idosos nordestinos e os sentimentos diversos que fizeram parte de suas vidas – da esperança à frustração, da fome e da sensação de desterro à conquista de espaço numa grande metrópole, da crença num futuro de oportunidades ao desencanto e o preconceito enfrentados na “Terra da Garoa”. Um livro imperdível para quem deseja conhecer em detalhes um processo fundamental da história do Brasil e se emocionar com a trajetória tocante de pessoas comuns, que ajudaram a transformar São Paulo na maior metrópole da América do Sul.

...ãe chorava em ai / Minha irmã chorava em ui / E eu nem olhava pra trás / No dia que eu vim-me embora / Não teve nada de mais / Mala de couro E eu nem olhava pra trás No dia que eu vim-me embora Não teve nada de mais Mala de couro forrada com pano forte brim cáqui Minha vó já quase morta Minha mãe até a porta Minha irmã até a rua E até o porto meu pai O qual não disse palavra durante todo o caminho E quando eu me vi sozinho Vi que não entendia nada Nem de pro que eu ia indo No dia em que eu vim-me embora Minha mãe chorava em ai Minha irmã chorava em ui E eu nem olhava pra trás No dia que eu vim-me embora Não teve nada de mais Mala de couro forrada com pano forte brim cáqui Minha vó já quase morta Minha mãe até a porta Minha irmã até a rua E até o porto meu pai O qual não disse palavra durante todo o caminho E quando eu me vi sozinho Vi que não ... Prof. Villa apresenta seu novo livro "Quando vim-me embora ... ... ... Quando "vim-me embora" do Ceará, do que ainda me lembro, depois de abraçar a "maínha" viúva do "paínho" que morreu de trabalhar, chorosa, desconsolada e cheia de conselhos, para orientar minha nova vida em São Paulo, fui até o fundo do chiqueiro dos bodes e pendurei o meu gibão todo carcomido pelos espinhos da Jurema, numa "gaia" do Juazeiro. E eu nem olhava pra trás No dia que eu vim-me embora Não teve nada de mais Mala de couro forrada com pano forte brim cáqui Minha vó já quase morta Minha mãe até a porta Minha irmã até a rua E até o porto meu pai O qual não disse palavra durante todo o caminho E quando eu me vi sozinho Vi que não entendia nada Nem de pro que eu ia indo B7 F#m7 B7 E C#m No dia em que eu vim-me embora Minha mãe chorava em ai A B7 E F#7 B7 Minha irmã chorava em ui E eu nem olhava pra trás A G#m7 C#7 F#7 B7 No dia que eu vim-me e ... Prof. Villa apresenta seu novo livro "Quando vim-me embora ... ... ... Quando "vim-me embora" do Ceará, do que ainda me lembro, depois de abraçar a "maínha" viúva do "paínho" que morreu de trabalhar, chorosa, desconsolada e cheia de conselhos, para orientar minha nova vida em São Paulo, fui até o fundo do chiqueiro dos bodes e pendurei o meu gibão todo carcomido pelos espinhos da Jurema, numa "gaia" do Juazeiro. E eu nem olhava pra trás No dia que eu vim-me embora Não teve nada de mais Mala de couro forrada com pano forte brim cáqui Minha vó já quase morta Minha mãe até a porta Minha irmã até a rua E até o porto meu pai O qual não disse palavra durante todo o caminho E quando eu me vi sozinho Vi que não entendia nada Nem de pro que eu ia indo B7 F#m7 B7 E C#m No dia em que eu vim-me embora Minha mãe chorava em ai A B7 E F#7 B7 Minha irmã chorava em ui E eu nem olhava pra trás A G#m7 C#7 F#7 B7 No dia que eu vim-me embora Não teve nada de mais F#m7 F#m7 E C#m Mala de couro forrada com pano forte brim cáqui F#m B7 E C#m F#7 B7 Minha vó já quase morta Minha mãe até a porta A G#m7 Minha irmã até a rua E até o porto meu pai ......